Browsing Tag

pai da noiva

pai da noiva chorando
Família no Casamento

O inesperado discurso de perdão do pai da noiva

Eita negócio complicado e ao mesmo tempo essencial é família, né?!

É como um texto que recebi justamente no grupo da parentada toda no WhatsApp, retirado do livro “O Arroz de Palma”, de Francisco Azevedo:

Família é prato difícil de preparar.

São muitos ingredientes.

Reunir todos é um problema…

Não é para qualquer um.

Os truques, os segredos, o imprevisível.

Às vezes, dá até vontade de desistir…

Mas a vida… sempre arruma um jeito de nos entusiasmar e abrir o apetite….”

A história a seguir é verídica. Tem ingredientes fortes. Foi contada por uma noiva que casou recentemente, mas que preferiu, sabiamente, não se identificar para não expor o pai. Vou chamá-la apenas de Camila.

(As fotos ilustrativas foram retiradas da internet.) 

pai da noiva com criança

O pai da Camila saiu de casa quando ela tinha 10 anos. Era um homem que maltratava a esposa. Esta, por sua vez, desejava a própria morte todos os dias. Camila e a mãe só tiveram paz quando ele, de fato, foi embora de casa.

Ainda assim, ele nunca deixou faltar nada pra mim. Era ausente, mas um bom pai no geral. Ele vive com uma outra mulher há anos e minha mãe se casou novamente.

Em mais de uma década de separação, o pai nunca havia pedido perdão para a mãe da noiva. Mas, segundo a própria Camila, ele mudou bastante com o tempo, principalmente depois da aposentadoria.

No dia do casamento, o pai da noiva não estava sabendo controlar as próprias emoções naquele momento. O escape foi a bebida. Entre um gole e outro, conseguiu transferir para o papel aquilo que estava gritando dentro dele.

Ao pegar o carro, perdeu o controle (por estar bêbado) e bateu o veículo. Estava estressado, desorientado. 

Eu já estava no carro esperando a cerimônia começar. Todos já estavam presentes. Menos ele. Então um padrinho foi buscá-lo. E eu sem saber de nada exatamente. A cerimonialista deu água, doces e o ajudou a se recuperar. Ele se arrumou e foi pra cerimônia.

Tudo seguiu perfeito. A pregação. Os votos. Mas o pai da noiva não parava de chorar. 

pai da noiva chorando na cerimônia

Na hora da troca das alianças, ele se levanta e pede pra falar em público.

Meu coração gelou! Ele retirou sua cartinha e falou pra mim e pro meu noivo os seus conselhos que, no fundo, eram um pedido desesperado de perdão. Ele falou sobre o que ele esperava do nosso casamento. Citou os erros que o meu noivo não poderia cometer comigo; erros que só eu e minha mãe sabíamos que ele havia cometido. Em meio às lágrimas, ele mostrou àquela multidão que havia arrependimento no coração dele e que o que ele queria pra nós era o oposto de tudo o que ele viveu com minha mãe. 

Casamento é tempo de celebração, mas também é tempo pra liberar perdão. Fomos abençoados e ele perdoado. ❤

 Pra honra e glória do nome do Senhor Jesus!

wedding-photo-idea-dad-bride

Como diz outro trecho de Francisco Azevedo:

“(…) por mais sem graça, por pior que seja o paladar, família é prato que você tem que experimentar e comer. Se puder saborear, saboreie. Não ligue para etiquetas. Passe o pão naquele molhinho que ficou na porcelana, na louça, no alumínio ou no barro. Aproveite ao máximo. Família é prato que, quando se acaba, nunca mais se repete.”

pai da noiva beijando testa da filha no casamento

Foto: Brett Heidebrecht Photography

 

Noiva e Pai da Noiva diy
Família no Casamento

“Meu maior medo era meu pai não lembrar de mim até a cerimônia”

A data marcada para 5 de março de 2016. Os preparativos em ritmo acelerado. A mudança de vida, depois do sim, se aproximando. Qualquer noiva não falaria em outra coisa, senão no próprio casamento. Mas e se você não fizesse ideia de como seria “o amanhã”?

Desde que descobriu, que o pai estava na fase inicial do Alzheimer, a noivinha,  Horrana Gomes, mudou a forma de ver e viver cada minuto, até o grande dia.

Descobrimos o Alzheimer, há um ano, mas a cada dia tem um fato novo e não tá sendo simples lidar com isso, nessa preparação pro casamento. Meu maior medo era meu pai não lembrar de mim até a cerimônia. Então, falar de importância, agora, é bem diferente, porque cada momento pra mim tem sido muito importante.

Seu Ivan Gomes já enfrentava algumas dificuldades pra guardar informações importantes, como a data em que levaria a filha até o altar. Horrana, sempre muito atenta, não perdia um detalhe.

Minha mãe sondou meu pai, pra saber se ele lembrava que eu ia casar. A resposta foi: “Claro, que ela vai casar, eu tô lembrando, sim, mas a data você tá me falando pela primeira vez”.

Família da Noiva

Acontece que o dia do casório era assunto diário em casa, claro. Como evitar que a doença apagasse da memória do seu Ivan os momentos mais felizes dessa fase em família? Era preciso encontrar uma saída e rápido! Foi aí que a filha teve uma ideia simples e brilhante, que mudaria o cotidiano dos dois: vamos começar um projeto do it yourself juntos!  😀

Pensei em algo que o fizesse lembrar todos os dias, de uma forma leve, o mês em que vou casar. O DIY tem cumprido muito bem esse papel! Além de ser divertido, tem alcançado o objetivo, que é envolver a família e manter a recordação do meu pai quanto à data. Ele ficou super feliz por se sentir útil nos preparativos e, em todo tempo, repetimos “temos 8 meses pra fazer”. Ele diz: “tem tempo ainda, né, filha? Com nossa agilidade, a gente termina rapidinho.”   😉

Começou a produção de sousplats feitos com papel jornal. A mãe, dona Rosana Gomes, ajuda como pode, comprando o material, opinando nas cores e mobilizando todos os conhecidos para conseguir o maior número possível de jornais. Já seu Ivan está completamente comprometido com a missão que ganhou da filha.

Todo dia, ele liga ou chega do trabalho falando quantos jornais conseguiu naquele dia e como fez pra conseguir. E sempre que eu chego do trabalho e ele está em casa, sentamos pra enrolar “canudinhos”. Ele sempre vem com uma nova técnica, um novo jeito de fazer. Sempre muito modesto, dizendo que somos muito eficientes. Rsrsrs…

Do It Yourself

O trabalho à quatro mãos precisa render, até março do ano que vem, 270 sousplats. E não tem moleza, o pai é 100% presente.

Me ajuda segurando a folha pra eu enrolar (não consegue enrolar sozinho), colando e juntando jornais, nos dias de trabalho (trabalha por escala). No segundo dia, recebi uma ligação: “Filha, consegui mais 5 jornais pra você! E se algum amigo aqui pedir, eu vou falar que, infelizmente, não posso dar, porque minha filha tá precisando pra casar daqui a 8 meses.”

Péra, que caiu um cisco, aqui, no meu olho… 😳 Que exemplo, hein? Depois de conhecer a família Gomes, tenho mais certeza ainda de que a vida é um dom incrível e que precisa ser preenchida com muito amor. O Glaudson Neto, futuro esposo da Horrana, pode ficar orgulhoso da nova família que ganhou. E ao seu Ivan, que completou 77 anos, ontem, só desejamos mais e mais dias cheios de sorrisos, como estes da foto!  :mrgreen:

 Família da Noiva

Quem sabe, ano que vem, a Horrana passa por aqui pra contar como foi o seu grande dia, hein?  😎

E você, querida leitora, aproveita e dá uma olhada na beleza especial que envolve um Casamento Feito a Mão!